Club de Maringá-Leste

Pedalando contra a Pólio

Neste domingo, 27 de outubro, ocorreu mais uma edição do Pedalando contra a Pólio. O evento tem como objetivo apoiar uma das maiores iniciativas mundiais de saúde pública: a erradicação da Pólio. Este projeto desenvolvido pelo Rotary Internacional já imunizou mais de 2,5 Bilhões de crianças, reduzindo mais de 99,9% dos casos de paralisia infantil.Ao mesmo tempo ocorreu evento da Rede Feminina de Combate ao Câncer, em relação ao Outubro Rosa, mostrando a necessidade da prevenção contra o câncer de mama.Dentro das áreas de enfoque dos projetos de Rotary está a Prevenção e Combate a doenças.Acesse www.endpolio.org/pt para mais informações.Venha você também apoiar esta causa!  

Postado em 27 de Outubro de 2019

Artigo por Mário César Camargo - Diretor do Rotary International: Rotary e Covid-19: Crise ou Oportunidade?

“Nunca desperdice uma boa crise” -  Winston Churchill. É o momento de fazer um balanço da gestão até ser atingida pelo tsunami do covid-19, até como referência histórica. Tenho minhas dúvidas sobre afirmações categóricas de que o mundo não será o mesmo após o fim da pandemia. O discurso era idêntico após o 11 de setembro de 2001, as viagens tornaram-se mais burocratizadas, os mecanismos de monitoramento “big brother” com reconhecimento facial disseminam-se pelo mundo, mas vida que segue. O choque da pandemia mudará o ambiente de negócios, haverá certa hesitação de contato físico no início, empresas quebrarão, o ambiente virtual ganhará milhões de neófitos, prioridades governamentais serão reavaliadas, líderes emergirão e submergirão, mas o ser humano continuará sua saga. Esperançosamente, mais solidário, mais conectado, mais ativo na sua comunidade. E o Rotary lucrará com esse movimento, desde que projetemos a imagem de instituição voltada ao melhoramento do ser humano, estampado no lema “Dar de si antes de pensar em si”. Uma entidade com gente de ação, atrativa para futuros rotarianos. Vamos lá, aos números. Relatório de gestão pode ser enfadonho, numérico, pouco inspirador, mas inevitável que mensuremos nossa trajetória até abril de 2020, para informar aos rotarianos da América do Sul. O que o Rotary está fazendo para combater a covid-19 em nível mundial? A Fundação Rotária aprovou até 15 de maio US$ 13,017 milhões em 157 projetos de subsídio global. Solicitações de subsídios de auxílio a desastre somam 300 no mundo, tendo 193 sido aprovadas, num total de US$ 4,807 milhões. Para os 45 distritos das zonas 23 e 24, Brasil e América do Sul espanhola, aprovaram-se 27 projetos, somando US$ 675 mil, fruto da agilidade dos governadores do continente ao requisitar esses fundos, alocados para quem primeiro chega; Qual o impacto da crise na captação de recursos da ABTRF/TRF no Brasil? Até 30 de abril, nenhum. O volume captado no período no ano 18-19 foi US$ 2,370 milhões, no ano atual US$ 2,404 milhões. Deve-se considerar que o dólar teve valorização de 42% no período, o que significa que a arrecadação cresceu na mesma proporção em reais, um feito a ser reconhecido; Como está o quadro associativo em nível mundial? Também para o limite de 30 de abril, o número de rotarianos cresceu 27.933 no mundo, o que poderia ser considerado alvissareiro. Acontece que, se comparado a abril de 2019, estamos 9.154 abaixo, o que vem ocorrendo há dois anos, uma tendência perigosa; Como está o quadro associativo no Brasil? 20 distritos ganharam sócios em relação a 1 de julho de 2019, mas 11 perderam, num crescimento líquido de pouco mais de 600 companheiros. Se levado em conta que o acréscimo chegará a mais de 2.000 em outubro último, é preocupante. Ainda mais com a eclosão da pandemia, com impacto ainda incerto no quadro associativo; O Rotary perderá membros em nível mundial? É a pergunta de 1 milhão de dólares, ninguém sabe, tendo em vista o ineditismo da crise, pelo menos nos últimos cem anos, desde a gripe espanhola de 1918-1920. Mas o Rotary tem estatísticas de 115 anos, e somente numa crise houve uma queda expressiva do quadro social, de 5,6% , nos anos 1932 e 1933, sequentes à depressão americana. O estatístico do Rotary projeta, com 95% de margem de acerto, que pode haver queda ou aumento do quadro de 1,8% nos próximos quatro anos. A ver; Haverá impacto na captação de recursos para a Polio? Ainda há tempo para reagir, mas o investimento em projetos da covid-19, no total de US$ 17,8 milhões mencionados acima, solapou as reservas que poderiam ser destinadas à Polio, para manter a equiparação de 2 para 1 com a Fundação Gates. Hoje, dia 19 de maio, faltam ainda US$ 16 milhões para chegar aos US$ 50 milhões do compromisso, e não podemos esquecer que para cada dólar do rotariano, faltarão dois dólares do lado Gates. Precisamos reagir, e rápido, faltando seis semanas para o término do ano rotário. O Rotary atravessou mais de um século de desafios, é nossa marca de nascença. Depressão, gripe espanhola, crise do petróleo, duas grandes guerras, que geraram frutos com digital do Rotary, como a UNESCO e a ONU. Tornamo-nos maiores diante da crise, afinal somos marinheiros de mares revoltos, não de piscina. Seguindo o pensamento do primeiro ministro inglês, que conduziu a Inglaterra no seu período mais turbulento, não desperdiçaremos uma boa crise. Sairemos dela maiores e mais fortes. Lutaremos em todas as “lives” possíveis para manter nossa equipe motivada, conectada, abrindo oportunidades. Até nos encontrarmos novamente para um forte abraço rotário. Sem covid-19.  

Postado em 27 de Maio de 2020

Campanha: sua meta nosso sucesso.

No último dia 15 maio, mais de 250 clubes brasileiros finalizaram a inserção de metas 2020-21 no Rotary Club Central e foram reconhecidos com um certificado emitido pelo RI Brazil Office. Como deve saber, as metas são o planejamento do sucesso do clube! Por isso, incentivamos que discutam quais ações e conquistas planejam para o novo ano rotário que se inicia em 1 de julho e Insira as metas 2020-21 o quanto antes. As metas para o ano entrante foram simplificadas e centralizadas no Rotary Club Central. É fácil e rápido! Materiais de referência: Guia de Planejamento Estratégico e o Rotary Club Central. Bom trabalho!

Postado em 22 de Maio de 2020

Tecnologia: Clubes passaram a se Reunir de forma Virtual

Uma pandemia nos “ensinou” a fazer um novo formato de reunião, que já era permitido pelo Conselho de Legislação (COL) do Rotary International, mas ainda pouco praticado no Distrito 4630. Completamos pouco mais de 2 meses de reuniões rotárias on-line. O novo coronavírus fez com que os rotarianos, incansáveis em querer ajudar o próximo, aprendessem a usar uma nova ferramenta: aplicativos para reuniões virtuais. Mesmo aqueles que eram mais resistentes, pela falta de familiaridade com as novas tecnologias, passaram a gostar das reuniões on-line, uma forma encontrada para amenizar a falta de contato presencial que a quarentena tem causado. Segundo o governador Edio Martello, “manter as reuniões já foi uma grande sacada dos clubes em focarem na solução, fazendo um favor para a comunidade e para si mesmos, reunindo-se, ainda que virtualmente, neste momento em que o isolamento é necessário e primordial. Manter as reuniões torna menos difícil essa quarentena e nos mantém fortes para prosseguirmos”, afirma. Para o Coordenador Assistente da Imagem Pública das Zonas 23 A e 24 A, Richard Ropelato Rizzo, os clubes fizeram o dever de casa. “Com mais ou menos dificuldades todos se adaptaram a nova realidade e fizeram bom uso da tecnologia. O distrito não foi diferente. Pela primeira vez fizemos o GATS e PETS on-line. O Rotary International se reinventou, quando pela primeira vez fez a reunião do board foi de forma online. O futuro com certeza será diferente. Novas oportunidades surgirão. Os clubes perceberam que é possível adotar as tecnologias para continuar o trabalho que fazemos. Lembrando que adotamos ferramentas digitais desde o ano rotário 2018-19, quando o Carlos Naves foi governador”, pontua. “Quando compramos a ferramenta, pensamos nela para uma necessidade extra, para ter um contato mais instantâneo com os presidentes, presidentes de comissões, GAs, não pensando como um substituto dos principais treinamentos presenciais, porque nada substitui esse contato. Fomos o primeiro Distrito a utilizar essa ferramenta, então temos já esse expertise, mas jamais imaginei que passaríamos por um momento de reclusão, como esse causado pela pandemia. Hoje é a ferramenta que encontramos para unir o Distrito à distância, mantendo as reuniões e até realizando o PETS e GATS de forma virtual, porque os trabalhos precisam continuar”, fala o governador 2018-19 Carlos Naves. Rotary e a Pandemia – De acordo com o Diretor do Rotary International, Mário César Martins de Camargo, além das orientações para que os rotarianos continuem as reuniões on-line, as propostas a serem analisadas pela sede da organização nos EUA já foram enviadas, a fim de manter os clubes rentáveis. Serão avaliados a possibilidade de congelamento do dólar rotário, um estudo para o valor da taxa percapta, usar os fundos de subsídios, entre outros. “Alguma coisa com certeza vai sair, e já está saindo, como por exemplo o fundo para desastres naturais, pois a Covid-19 pode ser considerada uma catástrofe. Crise é o nosso sobrenome e o Rotary se renova e se fortalece nas adversidades”, garante Mário César. Larissa Nakao Comunicação Corporativa 

Postado em 21 de Maio de 2020

Como apoiar os estudantes do Intercâmbio de Jovens durante a pandemia de covid-19

Pelos funcionários do departamento de Intercâmbio de Jovens e de Proteção a Jovens do Rotary International Enquanto o mundo enfrenta desafios extraordinários em meio à pandemia do coronavírus, os participantes do Intercâmbio de Jovens do Rotary também estão enfrentando desafios inusitados. O Rotary International está trabalhando com líderes de clubes e distritos para assegurar que a saúde e a segurança dos estudantes continuem sendo a maior prioridade, quer eles permaneçam no país anfitrião ou retornem para casa. Prezar pela segurança dos estudantes inclui oferecer apoio emocional àqueles que estão passando por uma experiência bem diferente do que esperavam. Para ajudar as pessoas envolvidas no programa, pedimos para dois líderes do Intercâmbio de Jovens compartilhar as melhores maneiras de apoiar os intercambistas durante esses tempos inusitados. Tom Overbaugh, ex-governador do Distrito 7170, conta que, ao optar por mandar os estudantes de volta para casa antecipadamente, o distrito chegou à conclusão de que também precisava oferecer apoio emocional, pois alguns jovens estavam com medo da viagem ou da quarentena. Ele compartilhou os conselhos que recebeu da dirigente de Intercâmbio de Jovens do seu distrito, Michele Hughes: Siga os conselhos do governo local e autoridades da saúde. Muitos alunos que voltarem para casa terão que ficar de quarentena (possivelmente isolados até de suas famílias) por um período de 14 dias. Este pode ser o maior desafio, já que, depois de um longo período de separação, os familiares querem ficar fisicamente próximos uns dos outros, e não socialmente distantes. No entanto, é importante reconhecer o potencial de exposição ao vírus, e seguir os conselhos do governo local e especialistas em saúde. Rematricule o estudante em sua escola local. Os pais dos intercambistas que voltarem para casa antecipadamente devem entrar em contato com seu distrito escolar para perguntar sobre a possibilidade de matriculá-los em cursos semestrais. A participação nas aulas dá aos jovens algo importante em que se concentrar, em vez de se preocupar com o retorno antecipado do intercâmbio. Fale com o estudante sobre sua experiência de intercâmbio. Depois que voltarem para casa, os intercambistas devem participar de uma sessão em grupo organizada pela Comissão Distrital de Intercâmbio de Jovens. Além de dar aos jovens a oportunidade de ouvir e compartilhar experiências e apoiar uns aos outros, a reunião fornece à comissão informações valiosas sobre como eles se sentem. Determine o tipo de apoio que os estudantes precisam. Nem todos os estudantes precisam do mesmo tipo de apoio emocional. Alguns se sentem mais à vontade falando com conselheiros escolares, enquanto que outros gostam de responder perguntas sobre sua experiência no intercâmbio. Pat Carson, coordenadora de estudantes outbound do Distrito 5080, compartilhou os seguintes conselhos: Preze pela saúde mental – A Comissão de Intercâmbio de Jovens do nosso distrito tem um conselheiro de saúde mental que contata cada estudante que volta para casa mais cedo para oferecer apoio. Esta assistência é muito importante, especialmente durante a atual crise de covid-19. Contate os estudantes após o intercâmbio – Contatamos todos os estudantes que retornaram para casa antecipadamente por meio de videoconferência para que possam compartilhar o que estão vivenciando e apoiar uns aos outros. Adapte-se à nova situação – É importante oferecer apoio às famílias anfitriãs e estudantes que ainda estão sendo hospedados em nosso distrito. Como os intercambistas não podem mais participar de reuniões presenciais, nós usamos as videoconferências para nos comunicarmos com eles. Embora este não seja o intercâmbio para o qual eles se inscreveram, após falar com as famílias e considerar todas as informações fornecidas pelo governo e autoridades da saúde, os pais de alguns dos nossos estudantes inbound decidiram deixar seus filhos continuar o intercâmbio e permanecer onde estão. Apoie as famílias anfitriãs – Diante da atual situação, é mais importante do que nunca apoiar as famílias anfitriãs. Como exemplo, eu estou hospedando um estudante que se mudou para nossa casa uma semana antes do distanciamento social ser colocado em prática. Como no momento não há atividades escolares ou sociais, estamos encontrando novas maneiras de nos manter engajados, seja praticando o idioma ou falando com amigos e familiares on-line. Muitas outras famílias anfitriãs podem estar vivenciando circunstâncias similares, portanto, não deixe de contatá-las regularmente.

Postado em 19 de Maio de 2020

GAs em Ação - Guilherme Antonio Garcia Pereira – Grupo 21: Icaraíma, Umuarama Capital da Amizade e Umuarama Despertar

Rotariano desde 2011, Guilherme foi Protocolo em 2014-15, presidente do evento Leitão à Pururuca em 2015-16 e presidente em 2017-18 do Rotary Club de Umuarama Capital da Amizade. Desde o início da quarentena, os clubes do seu grupo adaptaram a reunião presencial para a troca de conversas em Grupos criados no WhatsApp. Segundo o governador assistente, foi a alternativa encontrada de forma consensual para os trabalhos não pararem. “O Encontro Ecológico, por exemplo, um evento ambiental já consolidado em todo o distrito, teve que ser cancelado em razão da pandemia do coronavírus. O Rotary Club de Umuarama Capital da Amizade está avaliando se o evento será remarcado ainda neste ano rotário 2018-19, tudo dependerá das informações que estamos recebendo das autoridades de saúde, do que será permitido. Porém, para a segurança de todos, organização e participantes, este evento deverá acontecer na próxima gestão”, pontua Guilherme. O quadro associativo mantém-se no ritmo dentro do esperado, da meta dos 10% de expansão. “Com a visita oficial do governador Edio, o Rotary Club de Icaraíma assimilou os fundamentos rotários passados e semanas depois conseguiu aumentar o quadro associativo. É um clube pequeno, que está voltando a crescer”, avalia. Por outro lado, a venda das Ações Humanitárias foram concluídas rapidamente por este clube, que fez a tarefa de casa da venda simbólica das vacinas contra a poliomielite. Como governador assistente, Guilherme tem investido com os clubes na importância de manterem o foco na realização de projetos junto à Fundação Rotária. “Recentemente, o Rotary Club de Icaraíma em parceria com o Umuarama Capital da Amizade fez a entrega de Projeto Distrital para a Apae de Icaraíma, com equipamentos para ajudar no tratamento dos alunos”.  Larissa Nakao Comunicação Corporativa

Postado em 14 de Maio de 2020

Rotary: brasileiros se destacam no combate à Covid-19

Os membros do Rotary no Brasil vêm se destacando nas ações de combate à pandemia de coronavírus. Dos mais de 150 projetos aprovados para utilização do Fundo para Assistência em Casos de Desastres pela Fundação Rotária no mundo, o Brasil é o terceiro país com maior número de projetos aprovados até o momento, atrás apenas da Índia e dos Estados Unidos. Até o dia 20 de abril, o Brasil teve 20 projetos aprovados para utilização do fundo de desastres para a compra de equipamentos de combate à Covid-19, além de suprimentos para pessoas carentes. Com a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde nos hospitais, os projetos dos Rotary clubs se concentram na compra de materiais como luvas e máscaras cirúrgicas, face Shields (protetores faciais de plástico), materiais de higiene e outros itens necessários aos cuidados de médicos, enfermeiros e pacientes. Como destaca Mário César de Camargo, diretor do Rotary International, a pandemia mostrou a rápida capacidade de reação dos membros da organização no Brasil. “Quando surgiu a oportunidade, eles imediatamente se engajaram e, como a outorga do subsídio é na base do primeiro que chega é o primeiro que é servido, eles se colocaram bem na lista, e tiveram 20 dos 159 projetos que foram aprovados no mundo”, aponta.  Hipólito Ferreira, curador da Fundação Rotária, explica como a entidade modificou seus critérios e procedimentos para que os membros do Rotary de todo o mundo pudessem desenvolver e implementar projetos de combate à pandemia. “Quando se falava em assistência a desastres, se falava em tsunami, em excesso de chuvas, em coisas que fossem realmente destruidoras a partir do meio ambiente. E agora, a grande flexibilização foi determinar que a doença pode ser considerada também um desastre”, explica. Para possibilitar a implementação dos projetos, alguns processos foram modificados dentro da Fundação Rotária, como a dispensa da necessidade de fundos vindos de um parceiro internacional, e a possibilidade da utilização do Fundo Distrital de Utilização Controlada (FDUC) também para os projetos voltados à Covid-19. “O fundo de auxílio a desastres tem um procedimento que é praticamente aprovação default (padrão). A pessoa pediu dinheiro, ela recebe. A Fundação Rotária confia que o distrito* vá fazer uma aplicação devida desse dinheiro”, diz Mário César. “A Fundação Rotária, ao flexibilizar as regras, tornou tudo muito fácil”, avalia Hipólito. Até o momento, a Fundação Rotária já disponibilizou US$ 4 milhões para a realização de projetos de combate ao coronavírus no mundo, utilizando o Fundo para Assistência em Casos de Desastres. Cada projeto pode receber até US$25 mil para sua implementação. Com a alta cotação do dólar no Brasil, os projetos aqui realizados têm recebido uma média de R$ 127.500 cada. No total, os projetos realizados aqui com a utilização deste fundo já receberam cerca de US$ 500 mil ou R$ 2,55 milhões. Além dos projetos que utilizam o fundo de desastres, alguns distritos* também estão desenvolvendo projetos com a utilização de subsídios globais (que apoiam atividades internacionais maiores), também para a compra de EPIs, envolvendo valores de US$ 30 mil a US$ 52 mil cada. No total, a Fundação Rotária já disponibilizou mais de US$ 7,20 milhões para utilização em projetos de subsídios globais no mundo. Entre os projetos realizados no país, Mário César destaca o do distrito* 4420, que inclui a compra de oxímetros para hospitais do estado de São Paulo. O aparelho mede o nível de oxigenação na corrente sanguínea do paciente, alertando os médicos quando esse nível está abaixo do ideal. Hipólito aponta outra iniciativa de impacto, como a do distrito* 4760, que possibilita a compra de equipamentos de segurança para 26 hospitais em 22 cidades do estado de Minas Gerais, além da utilização da verba de sua conferência distrital em um projeto de subsídio global também para o combate ao coronavírus. Vale lembrar que, além das iniciativas realizadas com os fundos da Fundação Rotária, centenas de Rotary clubs de todo o Brasil têm se mobilizado diariamente com suas próprias verbas para a confecção e distribuição de equipamentos de proteção individual, cestas básicas e kits de higiene em um esforço conjunto para combater a propagação da doença do país. *Para quem não conhece a estrutura do Rotary International, regionalmente, os Rotary clubs são agrupados em distritos. Fonte: Blog Vozes do Rotary (leia a publicação original em https://rotaryblogpt.wordpress.com/2020/05/04/rotary-brasileiros-se-destacam-no-combate-a-covid-19/#more-2151)

Postado em 13 de Maio de 2020

Ver todos

Rotary Club Maringá Parque do Ingá - 23 anos

Prestando serviços humanitários há 23 anos Realizamos mais de 15 projetos de subsídio global e 30 projetos de subsídio distrital beneficiando milhares de pessoas em nossa comunidade. Transformamos a vida de 5 mil famílias por meio da doação de cadeiras de rodas com a participação de vários Rotary Clubes. Recebemos e enviamos mais de 20 jovens no Programa de Intercâmbio de Jovens, Programa de Intercâmbio de Serviços para Novas Gerações e Bolsa de Estudos em Universidades da Georgia/EUA. Unidos pelo ideal de servir.

Em 28/05/2020 por Rotary Club de Maringá-Parque do Ingá

Artigo por Mário César Camargo - Diretor do Rotary International: Rotary e Covid-19: Crise ou Oportunidade?

“Nunca desperdice uma boa crise” -  Winston Churchill. É o momento de fazer um balanço da gestão até ser atingida pelo tsunami do covid-19, até como referência histórica. Tenho minhas dúvidas sobre afirmações categóricas de que o mundo não será o mesmo após o fim da pandemia. O discurso era idêntico após o 11 de setembro de 2001, as viagens tornaram-se mais burocratizadas, os mecanismos de monitoramento “big brother” com reconhecimento facial disseminam-se pelo mundo, mas vida que segue. O choque da pandemia mudará o ambiente de negócios, haverá certa hesitação de contato físico no início, empresas quebrarão, o ambiente virtual ganhará milhões de neófitos, prioridades governamentais serão reavaliadas, líderes emergirão e submergirão, mas o ser humano continuará sua saga. Esperançosamente, mais solidário, mais conectado, mais ativo na sua comunidade. E o Rotary lucrará com esse movimento, desde que projetemos a imagem de instituição voltada ao melhoramento do ser humano, estampado no lema “Dar de si antes de pensar em si”. Uma entidade com gente de ação, atrativa para futuros rotarianos. Vamos lá, aos números. Relatório de gestão pode ser enfadonho, numérico, pouco inspirador, mas inevitável que mensuremos nossa trajetória até abril de 2020, para informar aos rotarianos da América do Sul. O que o Rotary está fazendo para combater a covid-19 em nível mundial? A Fundação Rotária aprovou até 15 de maio US$ 13,017 milhões em 157 projetos de subsídio global. Solicitações de subsídios de auxílio a desastre somam 300 no mundo, tendo 193 sido aprovadas, num total de US$ 4,807 milhões. Para os 45 distritos das zonas 23 e 24, Brasil e América do Sul espanhola, aprovaram-se 27 projetos, somando US$ 675 mil, fruto da agilidade dos governadores do continente ao requisitar esses fundos, alocados para quem primeiro chega; Qual o impacto da crise na captação de recursos da ABTRF/TRF no Brasil? Até 30 de abril, nenhum. O volume captado no período no ano 18-19 foi US$ 2,370 milhões, no ano atual US$ 2,404 milhões. Deve-se considerar que o dólar teve valorização de 42% no período, o que significa que a arrecadação cresceu na mesma proporção em reais, um feito a ser reconhecido; Como está o quadro associativo em nível mundial? Também para o limite de 30 de abril, o número de rotarianos cresceu 27.933 no mundo, o que poderia ser considerado alvissareiro. Acontece que, se comparado a abril de 2019, estamos 9.154 abaixo, o que vem ocorrendo há dois anos, uma tendência perigosa; Como está o quadro associativo no Brasil? 20 distritos ganharam sócios em relação a 1 de julho de 2019, mas 11 perderam, num crescimento líquido de pouco mais de 600 companheiros. Se levado em conta que o acréscimo chegará a mais de 2.000 em outubro último, é preocupante. Ainda mais com a eclosão da pandemia, com impacto ainda incerto no quadro associativo; O Rotary perderá membros em nível mundial? É a pergunta de 1 milhão de dólares, ninguém sabe, tendo em vista o ineditismo da crise, pelo menos nos últimos cem anos, desde a gripe espanhola de 1918-1920. Mas o Rotary tem estatísticas de 115 anos, e somente numa crise houve uma queda expressiva do quadro social, de 5,6% , nos anos 1932 e 1933, sequentes à depressão americana. O estatístico do Rotary projeta, com 95% de margem de acerto, que pode haver queda ou aumento do quadro de 1,8% nos próximos quatro anos. A ver; Haverá impacto na captação de recursos para a Polio? Ainda há tempo para reagir, mas o investimento em projetos da covid-19, no total de US$ 17,8 milhões mencionados acima, solapou as reservas que poderiam ser destinadas à Polio, para manter a equiparação de 2 para 1 com a Fundação Gates. Hoje, dia 19 de maio, faltam ainda US$ 16 milhões para chegar aos US$ 50 milhões do compromisso, e não podemos esquecer que para cada dólar do rotariano, faltarão dois dólares do lado Gates. Precisamos reagir, e rápido, faltando seis semanas para o término do ano rotário. O Rotary atravessou mais de um século de desafios, é nossa marca de nascença. Depressão, gripe espanhola, crise do petróleo, duas grandes guerras, que geraram frutos com digital do Rotary, como a UNESCO e a ONU. Tornamo-nos maiores diante da crise, afinal somos marinheiros de mares revoltos, não de piscina. Seguindo o pensamento do primeiro ministro inglês, que conduziu a Inglaterra no seu período mais turbulento, não desperdiçaremos uma boa crise. Sairemos dela maiores e mais fortes. Lutaremos em todas as “lives” possíveis para manter nossa equipe motivada, conectada, abrindo oportunidades. Até nos encontrarmos novamente para um forte abraço rotário. Sem covid-19.  

Em 27/05/2020

O ROTARY CLUB DE SANTA ISABEL DO IVAÍ REALIZA DOAÇÃO DE 95 LITROS ALCOOL 70 PARA A SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA MÔNICA.

No dia 20/05/2020, foi realizada a entrega de 19 galões de 5 litros de álcool 70 para a Secretaria Municipal de Santa Mônica, essa ação, foi viabilizada através de uma solicitação realizada pelo futuro presidente do Rotary Club de Santa Isabel do Ivaí, Marcos José dos Santos, que tem buscado promover ações que contribua com a comunidade local considerando as necessidades da sociedade. E estiveram presentes no ato da entrega o atual presidente do Rotary Club de Santa Isabel do Ivaí, Renato Costa Nunes e o companheiro e futuro presidente do Rotary Marcos José dos Santos e representando a Secretaria Municipal de Saúde, Regiane Aparecida Alcantara e Emily Gois Silva. “O Rotary de Santa Isabel do Ivaí sempre presente na comunidade e cumprindo seu papel de "Dar de Si sem pensar em Si", para juntos Conectarmos o Mundo”.

Em 24/05/2020 por Rotary Club de Santa Isabel do Ivaí

Tecnologia: Clubes passaram a se Reunir de forma Virtual

Uma pandemia nos “ensinou” a fazer um novo formato de reunião, que já era permitido pelo Conselho de Legislação (COL) do Rotary International, mas ainda pouco praticado no Distrito 4630. Completamos pouco mais de 2 meses de reuniões rotárias on-line. O novo coronavírus fez com que os rotarianos, incansáveis em querer ajudar o próximo, aprendessem a usar uma nova ferramenta: aplicativos para reuniões virtuais. Mesmo aqueles que eram mais resistentes, pela falta de familiaridade com as novas tecnologias, passaram a gostar das reuniões on-line, uma forma encontrada para amenizar a falta de contato presencial que a quarentena tem causado. Segundo o governador Edio Martello, “manter as reuniões já foi uma grande sacada dos clubes em focarem na solução, fazendo um favor para a comunidade e para si mesmos, reunindo-se, ainda que virtualmente, neste momento em que o isolamento é necessário e primordial. Manter as reuniões torna menos difícil essa quarentena e nos mantém fortes para prosseguirmos”, afirma. Para o Coordenador Assistente da Imagem Pública das Zonas 23 A e 24 A, Richard Ropelato Rizzo, os clubes fizeram o dever de casa. “Com mais ou menos dificuldades todos se adaptaram a nova realidade e fizeram bom uso da tecnologia. O distrito não foi diferente. Pela primeira vez fizemos o GATS e PETS on-line. O Rotary International se reinventou, quando pela primeira vez fez a reunião do board foi de forma online. O futuro com certeza será diferente. Novas oportunidades surgirão. Os clubes perceberam que é possível adotar as tecnologias para continuar o trabalho que fazemos. Lembrando que adotamos ferramentas digitais desde o ano rotário 2018-19, quando o Carlos Naves foi governador”, pontua. “Quando compramos a ferramenta, pensamos nela para uma necessidade extra, para ter um contato mais instantâneo com os presidentes, presidentes de comissões, GAs, não pensando como um substituto dos principais treinamentos presenciais, porque nada substitui esse contato. Fomos o primeiro Distrito a utilizar essa ferramenta, então temos já esse expertise, mas jamais imaginei que passaríamos por um momento de reclusão, como esse causado pela pandemia. Hoje é a ferramenta que encontramos para unir o Distrito à distância, mantendo as reuniões e até realizando o PETS e GATS de forma virtual, porque os trabalhos precisam continuar”, fala o governador 2018-19 Carlos Naves. Rotary e a Pandemia – De acordo com o Diretor do Rotary International, Mário César Martins de Camargo, além das orientações para que os rotarianos continuem as reuniões on-line, as propostas a serem analisadas pela sede da organização nos EUA já foram enviadas, a fim de manter os clubes rentáveis. Serão avaliados a possibilidade de congelamento do dólar rotário, um estudo para o valor da taxa percapta, usar os fundos de subsídios, entre outros. “Alguma coisa com certeza vai sair, e já está saindo, como por exemplo o fundo para desastres naturais, pois a Covid-19 pode ser considerada uma catástrofe. Crise é o nosso sobrenome e o Rotary se renova e se fortalece nas adversidades”, garante Mário César. Larissa Nakao Comunicação Corporativa 

Em 21/05/2020

Reuniões

Informamos a todos que nossas reuniões estão ocorrendo semanalmente, por videoconferência, com abertura às 20:00 e início da reunião às 20:30, todas as quintas-feiras.  Ainda não temos previsão para o retorno das reuniões presenciais. Caso tenha interesse em participar, solicite o link ao secretário do Club, Companheiro Raphael Duarte da Silva, pelo telefone 44-99978-1723.

Em 21/05/2020 por Rotary Club de Campo Mourão

Reuniões Quartas-Feiras | 12:15
Av. Cerro Azul,199 Cep: 87010-000